XIII
Bienal
Española de
Arquitectura
y Urbanismo

Alternativas


Resultados

X
Bienal
Iberoamericana
de Arquitectura
y Urbanismo

Desplazamientos


São Paulo 2016

15ª
Bienal de
Arquitectura
de Venecia
Pabellón Español

Unfinished


Inauguración

Arquipélago - Centro de Artes Contemporâneas

 




 

Nombre de la propuesta

Arquipélago - Centro de Artes Contemporâneas

Emplazamiento

Rua Adolfo Coutinho de Medeiros s/n 9600 - 516 Ribeira Grande São Miguel - Açores

País

Portugal

Resumen

O desenho do Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas mantém o carácter industrial do conjunto e tematiza o diálogo entre uma construção existente (antiga fábrica do álcool e tabaco) e novas construções (fábrica da cultura, produção de arte, reservas, sala multiusos/artes performativas, oficinas, laboratórios, estúdios-ateliers de artistas). O projecto não exagera a diferença entre as antigas e as novas construções. Antes procura unir a diferente escala e a diferente idade das suas partes por meio de uma manipulação pictórica da forma e da materialidade dos edifícios - o existente marcado pela alvenaria aparente de pedra vulcânica e os novos edifícios marcados pela forma abstracta, sem referência ou alusão a nenhuma linguagem, construídos em betão aparente com inertes de basalto local com um trabalho altimétrico e textural das superfícies, complementando a relação cheio/vazio da massa do edifício com os vazios dos pátios. O ACAC adquire a sua identidade pela variação tranquila entre o edifício existente – contenção e gesto mínimo na implantação estratégica dos canais de infra-estruturação, máxima eficácia na hierarquização espacial e funcional dos diferentes espaços do complexo fabril – e os dois edifícios novos que, por exigirem condições especiais não compatíveis com a preexistência, resolvem as funcionalidades pedidas. O projecto compromete-se com a qualidade do existente, pondo em manifesto as variações tipológicas – os novos edifícios são colocados ao lado dos existentes de forma “serena” clarificando o que é existente num determinado período e o que se lhe acrescenta, sem ferir ou desvirtuar as estruturas espaciais e construtivas do conjunto. Contexto e contiguidade contribuem para a autonomia do objecto.

Autor/autores

Francisco Vieira de Campos, Cristina Guedes, João Mendes Ribeiro

Colaboradores

Adalgisa Lopes e Jorge Teixeira Dias, Inês Mesquita, Filipe Catarino, Cristina Maximino, João Pontes, Luís Campos, Ana Leite Fernandes, Mariana Sendas, Pedro Costa, Inês Ferreira, João Fernandes, Catarina Fortuna, Ana Cerqueira, Ana Rita Martins, António Ferreira da Silva, Cláudia Santos, Joana Figueiredo, João Branco, Hipólito Sousa, Jerónimo Botelho, Pedro Pinto (Fundações e Estruturas), Diogo Leite, Filipe Freitas, Jorge Rocha (Instalações Hidráulicas), Raul Serafim, Hélder Ferreira (Instalações Eléctricas), Maria da Luz Santiago (Segurança), Raul Bessa, Ricardo Carreto (Instalações Mecânicas), José Pinto (Instalações de Gás)

Fechas de la propuesta

  • Fecha de proyecto:2010-12-01
  • Fecha de comienzo de obra:2011-09-01
  • Fecha de fin de obra:2015-03-01

Archivos